“Sem compreender a missão, os objetivos e a estratégia do negócio, os gestores não podem gerenciar, as organizações não podem ser estruturadas e os cargos gerenciais não podem ser produtivos”, segundo Peter Drucker, em 1964 no livro Administrando para obter resultados.

Logo entendemos que não se pode gerenciar o que não se sabe mensurar, não se pode mensurar o que não se sabe explicar e ainda, não se pode explicar o que não se conhece…

Nos dias atuais, ainda é muito comum as empresas utilizarem diversos relatórios de responsabilidade de cada setor, que são utilizados como indicadores e analisados de forma isolada. Percebemos claramente que os responsáveis não conseguem correlacionar a informação obtida com a estratégia da empresa. Desta forma, fica evidenciada a ausência do “termômetro da sua empresa” em relação à estratégia do negócio.

Importante ressaltar que as informações advindas dos indicadores são essencialmente comparativas, ou seja, um conjunto de dados isolados mostrando os resultados atingidos por instituição pouco diz a respeito do desempenho da empresa, a menos que seja confrontada com metas ou padrões preestabelecidos oriundos de um planejamento estratégico ou realizada uma comparação com os resultados atingidos em períodos anteriores, obtendo-se assim uma série histórica para análise.

A utilização da de um Painel de Controle, considera a combinação de vários Indicadores Chave de Sucesso, mostrando em tempo real, o que está acontecendo na empresa. A característica principal de um Indicador Chave de Sucesso, está na composição de sua fórmula, que deve considerar no mínimo a razão entre duas informações. Se não houver uma divisão entre duas informações, então não existe um indicador genuíno, apenas uma informação.

Um painel de controle bem estruturado, deve considerar indicadores em diversas perspectivas para garantir uma abrangência consistente para suportar os gestores nas tomadas de decisões complexas. As perspectivas mais comuns consideradas na construção dos indicadores são:

  1. Estratégia;
  2. Integridade;
  3. Segurança;
  4. Moral;
  5. Capacidade;
  6. Produtividade;
  7. Qualidade;
  8. Resultado.

Abaixo algumas dicas de parâmetros importantes a serem considerados para definição dos seus indicadores que irão compor o Painel de Controle:

  • Representatividade: o indicador deve ser a expressão dos produtos e serviços essenciais de uma atividade ou função; o enfoque deve ser no produto: medir aquilo que é produzido, identificando produtos intermediários e finais, além dos impactos desses produtos;
  • Homogeneidade: na construção de indicadores devem ser consideradas apenas variáveis homogêneas;
  • Praticidade: garantia de que o indicador realmente funciona na prática e permite a tomada de decisões gerenciais. Para tanto, deve ser testado, modificado ou excluído quando não atender a essa condição;
  • Validade: o indicador deve refletir coerentemente o fenômeno a ser monitorado;
  • Confiabilidade: a fonte de dados utilizada para o cálculo do indicador deve ser confiável, de tal forma que diferentes avaliadores possam chegar aos mesmos resultados;
  • Seletividade: deve-se estabelecer um número equilibrado de indicadores que enfoquem os aspectos essenciais do que se quer monitorar;
  • Simplicidade: o indicador deve ser de fácil compreensão e não envolver dificuldades de cálculo ou de uso;
  • Acessibilidade: deve haver facilidade de acesso às informações primárias bem como o registro e manutenção para cálculo dos indicadores.

Um abraço e sucesso nos negócios!

Thiago Wilker

Thiago Wilker

Empresário, Engenheiro de Telecomunicações e Especialista em Sistemas de Informação