O planejamento é fundamental para condução de qualquer projeto e acompanhar a evolução garante o cumprimento dos objetivos, entretanto, em alguns casos, acontece do percurso se distanciar dos objetivos e uma atitude imediata é vital para correção de rota ou até mesmo abortar o projeto…

Você deve estar se perguntando neste momento: “abortar o projeto?” Isto mesmo!!

Ao mobilizar um projeto, vários fatores devem ser considerados, inclusive correr alguns riscos é imprescindível, mas devemos monitorar estes riscos constantemente, pois “o primeiro prejuízo é sempre o menor”, ou seja, em caso de algum desvio que não seja possível reverter, quanto mais rápido o projeto for abortado, menor será o prejuízo.

Otimismo, resiliência e perseverança devem nortear a condução dos projetos, mas a consciência sobre a realidade serve de termômetro através da gestão de riscos para que você possa ter visibilidade do investimento que vale a pena…

Sobre gestão de riscos, é importante ter a consciência da existência de dois Tipos de riscos, os classificados como “Oportunidade”, que em caso de se concretizar, poderão gerar algum benefício ao projeto e também temos os riscos classificados como “Ameaças”, que podem gerar algum prejuízo ao projeto.

O próximo passo é identificar a Probabilidade de o risco ocorrer, pois não faz sentido investir muito tempo em analisar um risco cuja Probabilidade é desprezível, sendo assim, devemos investir a maior parte do tempo em analisar os riscos que possuem uma maior Probabilidade de ocorrer.

Na sequência, realizar a análise de Impacto ao projeto, caso o risco se concretize, aplicando o mesmo conceito da análise de Probabilidade, ou seja, devemos investir maior parte do tempo em analisar riscos que possuem maior impacto ao projeto. E por último, definir uma ação direta para cada risco, conforme listado abaixo:

  • Prevenir: ações que devem evitar que o risco ocorra;
  • Transferir: ações de transferência dos impactos do risco ao projeto;
  • Mitigar: ações para minimizar os impactos do risco ao projeto;
  • Aceita: nenhuma ação a ser tomada, pois os impactos podem ser absorvidos pelo projeto.

Exemplo: Um risco do Tipo Ameaça, cuja Probabilidade seja alta, mas o Impacto seja baixo, normalmente é um risco que a Ação pode ser de aceitar, pois não irá oferecer grandes prejuízos ao projeto.

É importante ressaltar, que independente da Ação que seja adotada, deve ser documentada e acordada entre as partes interessadas do projeto para evitar desentendimento futuros.

Um abraço e sucessos nos negócios!

Thiago Wilker

Thiago Wilker

Empresário, Engenheiro de Telecomunicações e Especialista em Sistemas de Informação